Três músicas do compositor sobressaem no roteiro do atual espetáculo da cantora. Maria Bethânia reforça o elo com Chico César no show Claros breus. Em cartaz no carioca clube Manouche durante as quintas-feiras deste mês de julho de 2019, o show Claros breus – embrião de um dos dois álbuns que a cantora planeja lançar neste segundo semestre de 2019 – tem três músicas do compositor paraibano no surpreendente roteiro, sendo que duas são inéditas. As três sobressaem no roteiro do show que parte em turnê pelo Brasil a partir de agosto.
A súplica de Luminosidade – uma das duas inéditas da lavra sempre inspirada de Chico César – exemplifica a aura por vezes sagrada alcançada pelo cancioneiro desse compositor projetado no início da década de 1990 e que está com autoral álbum de músicas inéditas pronto para ser lançado neste segundo semestre de 2019.
Já Da taça – música lançada há quatro anos pelo autor no álbum Estado de poesia (2015) – (ab)sorve desejos e vícios profanos em clima abolerado que Bethania, perspicaz, entrelaça no roteiro do show Claros breus com o sucesso sertanejo Evidências (José Augusto e Paulo Sérgio Valle, 1989).
Completando o trio de músicas de Chico César no atual show de Bethânia, há a inédita Águia nordestina. Seguidores atentos da trajetória da cantora nos discos e nos palcos identificaram na letra o texto escrito por Chico César na madrugada de 20 de março de 2007 sob o impacto de ter visto o show Dentro do mar tem rio (2006 / 2007), espetáculo em que Bethânia revolveu memórias das águas. Enviado por Chico para Bethânia, através de e-mail, o texto está reproduzido nas capas internas do duplo álbum ao vivo lançado pela cantora naquele ano de 2007 com o registro integral do show.
Maria Bethânia apresenta duas músicas inéditas de Chico César no show ‘Claros breus’
Mauro Ferreira / G1
Chico César está presente na discografia de Maria Bethânia desde Âmbar, álbum renovador de 1996 em que Bethânia também gravou pela primeira vez músicas de Adriana Calcanhotto e Arnaldo Antunes, compositores também recorrentes desde então nos discos e shows da cantora.
Naquele ano de 1996, Chico César era o compositor da vez. Cantoras brigavam pela primazia de gravar músicas do compositor.
Passada a novidade, a grande maioria se esqueceu de Chico César. Majestosa águia nordestina, Maria Bethânia continuou devota deste grande compositor com inteligência, coerência e fidelidade iluminadas pela luz intensa do show Claros breus.

https://g1.globo.com/pop-arte/